Ir para o site...

CURSO DE TEOLOGIA GRÁTIS COM CERTIFICADO GRÁTIS

O que é Como Ministrar Casamentos, Santa Ceia, Batimos…

Capa

1 – Cerimônia De Casamento
O casamento é uma instituição civil e religiosa, estando, portanto, sujeito a regulamentos jurídicos.
O pastor deve familiarizar-se com as leis do Estado e da Nação onde estiver celebrando esta cerimônia, pois só assim manterá sua consciência tranquila, sabendo que está cumprindo os requisitos da lei. Além disto, deve manter um registro no qual fará constar os casamentos realizados em sua igreja, com todos os dados necessários, e a assinatura dos cônjuges, das testemunhas e do ministro oficiante.
A cerimônia pode ser celebrada no templo, ou em uma casa particular, mas sempre na presença de testemunhas.
Convém que o pastor e os cônjuges ensaiem antecipadamente a ordem do programa da cerimônia para evitar confusões. O pastor deve orientar e participar de um ensaio com as pessoas envolvidas, mostrando como se deve entrar e sair durante uma cerimônia nupcial.
Nota: Em algumas cidades brasileiras, o pastor, antes de realizar a cerimônia religiosa, exige dos nubentes a certidão de casamento civil. Porém, em outras cidades, o pastor realiza o Casamento Religioso para Efeitos Civis. Nesse último caso, antes de realizar a cerimônia, o pastor exige dos noivos a certidão de habilitação para eles poderem se casar. Essa certidão é requerida junto ao cartório do distrito de residên¬cia de um dos nubentes. De posse desse documento, o pastor realiza o Casamento Religioso para Efeitos Civis.
Na semana seguinte à cerimônia, o casal ou um de seus familiares, encaminha ao cartório o Termo de Casamento Religioso para Efeitos Civis, comprovando a realização da cerimônia religiosa, e solicitando a Certidão de Casamento, devidamente registrada. Pastores que exigem antecipadamen¬te a apresentação da certidão de casamento civil estão, inad¬vertidamente e sem necessidade, colocando-se em uma posi¬ção inferior a da autoridade civil.
CERIMÔNIA 1
Instituição do casamento
Os noivos estarão juntos, de pé, diante do ministro, o noivo à direita da noiva. Dirigindo-se à igreja, o ministro dirá:
“Estamos reunidos na presença de Deus e destas testemu¬nhas para solenizar diante do Todo-poderoso o casamento deste homem e desta mulher.
“O casamento é um estado honroso estabelecido por Deus, e santificado pela presença de nosso Senhor nas bodas de Cana da Galiléia. As Sagradas Escrituras nos dizem que dig¬no de honra entre todos é o casamento, e o consagram como símbolo da união mística entre Cristo e sua Igreja.
“O casamento deve ser contraído com reverência e no te¬mor de Deus, considerando-se os fins para os quais ele foi ordenado, isto é, para o companheirismo, o apoio e o consolo que os esposos devem proporcionar um ao outro enquanto viverem.
“O casamento foi ordenado para dar continuidade à sa¬grada instituição da família, e para que os filhos, que são he¬rança do Senhor, sejam criados em retidão e respeito às coi¬sas de Deus. O casamento contribui também para o bem-es¬tar da sociedade e para transmitir – mediante a boa ordem familiar -, a pureza, a santidade e a verdade de geração em geração.
“No jardim do Éden, Deus instituiu essa união à partir do primeiro casal humano, a fim de tornar feliz toda a hu¬manidade. Desde então os seres humanos o têm praticado e, para dar-lhe consistência, o têm legalizado. Pode-se dizer que o casamento é o contrato jurídico de uma união espiri-tual.
“A Palavra de Deus expressa que o casamento deve ser ‘dig¬no de honra entre todos’ (Hebreus 13:4). Aqueles que se casam decidiram aceitar este estado honroso.”
Oração
“Nosso Pai e Deus, nenhum dos nossos prazeres será per¬feito se tu não o tomares completo. Faltará algo sublime em nossas horas mais felizes se tu não nos acompanhares com tua bênção. Suplicamos-te, pois, que assim como o Senhor Jesus Cristo esteve presente nas bodas de Cana da Galiléia, assim também nós possamos desfrutar do gozo de tua divina presença agora, durante esta cerimônia.
“Pedimos que a bênção de tua presença seja uma realidade na vida deste homem e desta mulher, que vão fazer um jura¬mento solene diante de ti e destas testemunhas, de modo que a lembrança desta hora santa os fortaleça e os console em meio a todas as provas e mudanças que o futuro lhes trouxer. Que a plenitude de tua presença seja uma realidade em todas essas situações, ó Senhor, e manifesta a tua sabedoria, o teu amor e a tua direção neste casamento. Amém.”
Leitura bíblica
Dirigindo-se aos noivos, o ministro dirá:
“Vocês vieram a mim, ministro de Cristo, para serem uni¬dos diante de Deus, pelos santos laços do matrimônio. Isto re¬presenta um passo sério e solene, onde um assume perante o outro o compromisso de enfrentar as circunstâncias que se lhes apresentarem, sejam elas de riqueza ou de pobreza, de alegria ou de tristeza, de saúde ou de enfermidade, e compartilharem tudo o que a vida dá e tudo o que ela tira, mantendo a fidelida¬de um para com o outro, como esposo e esposa, conforme o que foi ordenado por Deus, até que a morte os separe.
“Ouçam, pois, a Palavra de Deus, escrita para a instrução de vocês, e para que vocês tenham luz em seu caminho.”
O ministro lera as seguintes passagens bíblicas:
“Vós, maridos, amai a vossas mulheres, como também Cristo amou a igreja, e a si mesmo se entregou por ela, para a santificar, purificando-a com a lavagem da água, pela pala¬vra, a fim de apresentá-la a si mesmo igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante, mas santa e irrepreensível. Assim devem os maridos amar a suas próprias mulheres, como a seus próprios corpos. Quem ama a sua mu¬lher, ama-se a si mesmo. Afinal de contas, nunca ninguém odiou a sua própria carne, antes a alimenta e sustenta, como também o Senhor à igreja; pois somos membros do seu cor¬po. Por isso deixará o homem a seu pai e a sua mãe, e se unirá a sua mulher, e serão os dois uma só carne. Grande é este mistério, mas eu me refiro a Cristo e à igreja. Assim também vós, cada um em particular, ame a sua própria mulher como a si mesmo, e a mulher respeite a seu marido” (Efésios 5:25-33).
“Igualmente, vós, maridos, vivei com elas com entendi¬mento, dando honra à mulher, como vaso mais frágil, e como sendo elas herdeiras convosco da graça da vida, para que não sejam impedidas as vossas orações” (1 Pedro 3:7).
“Vós, mulheres, submetei-vos a vossos maridos, como ao Senhor. Pois o marido é o cabeça da mulher, como tam¬bém Cristo é o cabeça da igreja, sendo ele próprio o salvador do corpo. De sorte que, assim como a igreja está sujeita a Cristo, assim também as mulheres o sejam em tudo a seus maridos” (Efésios 5:22-24).
“Semelhantemente, vós, mulheres, sede submissas a vossos próprios maridos, para que também, se alguns deles não obedecem à palavra, pelo procedimento de suas mulhe¬res sejam ganhos sem palavra” (1 Pedro 3:1).
Votos:
Dirigindo-se ao noivo, o ministro perguntará:
“__________________(nome do noivo), você promete, diante de Deus e destas testemunhas, receber __________________(nome da noiva), como sua legítima esposa para viver com ela, conforme o que foi ordenado por Deus, na santa instituição do casamento? Promete amá-la, honrá-la, consolá-la e protegê-la na enfermidade ou na saú¬de, na prosperidade ou na adversidade, e manter-se fiel a ela enquanto os dois viverem?”
O noivo responderá: “Sim, prometo.”
Dirigindo-se à noiva, o ministro perguntará:
“__________________(nome da noiva), você promete, diante de Deus e destas testemunhas, receber __________________ (nome do noivo) como seu legítimo esposo, para viver com ele, conforme o que foi ordenado por Deus, na santa instituição do casamento? Promete amá-lo, honrá-lo, respeitá-lo, ajudá-lo e cuidar dele na enfermidade ou na saúde, na prosperidade ou na adversidade, e manter-se fiel a ele enquanto os dois viverem?”
A noiva responderá: “Sim, prometo.”
Entrega das alianças
No caso da cerimônia incluir entrega de alianças, o ministro dirá ao noivo:
“__________________(nome do noivo), que penhor você dará a __________________(nome da noiva) como teste¬munho de suas promessas?”
O noivo porá a aliança sobre a Bíblia do ministro, e o ministro, segurando a aliança, dirá ao noivo que repita as seguintes palavras:
“Usando esta aliança como símbolo de nossa união, eu me caso contigo, unindo a ti o meu coração e a minha vida, e tornando-te participante de todos os meus bens.”
Entregando a aliança ao noivo para que ele a coloque no dedo anular da noiva, o ministro dirá ao noivo:
“Que esta aliança seja o símbolo puro e imutável do seu amor.”
Em seguida, o ministro dirá à noiva:
“__________________(nome da noiva), que penhor você dará a __________________{nome do noivo) como teste¬munho de suas promessas?”
A noiva colocará a aliança sobre a Bíblia do ministro, e este, segurando a aliança, dirá à noiva que repita as seguintes palavras:
“Usando esta aliança como símbolo de nossa união, eu me caso contigo, unindo a ti o meu coração e a minha vida, e tornando-te participante de todos os meus bens.”
Entregando a aliança à noiva para que ela a ponha no dedo anular do noivo, o ministro dirá à noiva:
“Que esta aliança seja o símbolo puro e imutável do seu amor.”
Oração
Em seguida os noivos se ajoelharão, e se o ministro achar conveniente, ele dirá:
“Como sinal de fidelidade às promessas que vocês fize¬ram um ao outro, segurem agora a mão um do outro.”
O ministro colocará a mão direita sobre as mãos unidas dos noivos e orará, fazendo a Deus os seguintes pedidos:
“Deus eterno, Criador e Consolador do gênero humano, Doador de toda a graça espiritual, e Autor da vida eterna: Abençoa este homem e esta mulher, a quem abençoamos em Teu nome, a fim de que eles vivam sempre em paz e em amor, conforme teus santos mandamentos, e conduzindo o lar e a vida deles de acordo com tua Santa Palavra, através de nosso Senhor Jesus Cristo.
“Rogamos-te, ó Deus Todo-poderoso, que continues a ser Salvador e guia de suas almas imortais, para que, mediante a redenção de nosso Senhor Jesus Cristo, alcancem a glória eterna. Amém.”
Pronunciamento
Dirigindo-se à igreja, o ministro dirá:
“Visto que __________________________(nome dos noivos) consentiram ambos em ingressar no estado de ma¬trimônio, diante de Deus e destas testemunhas, havendo ambos dado e empenhado sua fé e palavra um ao outro, o que manifestaram pela união das mãos, eu os declaro mari¬do e mulher, casados em nome do Pai, do Filho e do Espíri¬to Santo. Amém.”
“Aqueles aos quais Deus uniu, nenhum homem os separe.”
Bênção pastoral
O ministro colocará a mão direita sobre as mãos dos noivos e dirá:
“Que o Deus Todo-poderoso, Pai, Filho, e Espírito Santo vos abençoe, vos guarde e vos mantenha firmes. Que o Se¬nhor, em sua misericórdia, volte para vós seus olhos de har¬monia e vitória, e de tal maneira vos encha de sua graça e bênçãos espirituais, que possais viver neste mundo em seu santo temor, e no mundo vindouro possais gozar da vida celestial e eterna. Amém.”
CERIMÔNIA 2
Instituição do casamento
Dirigindo-se à igreja, o ministro dirá:
“Amados irmãos e amigos, estamos reunidos na presença de. Deus e destas testemunhas para unir este homem e esta mulher no santo matrimônio, que é um estado honroso, e por¬tanto não deve ser contraído como se fosse algo sem muita significação, mas com reverência, discrição e no temor de Deus.
“Este estado santo foi instituído por Deus quando o ho¬mem ainda era inocente. Disse o Senhor: ‘Não é bom que o homem esteja só, far-lhe-ei uma companheira que lhe seja idônea.’ Desta forma foram celebrados os primeiros laços des¬te sagrado pacto de matrimônio, pronunciando Deus estas pa¬lavras: ‘Portanto, deixará o homem a seu pai e a sua mãe, e se unirá à sua mulher, e ambos serão uma só carne.’
“Cristo, nosso Salvador, honrou com sua presença e trans¬formou com seu poder divino as bodas de Cana da Galiléia, realizando ali seu primeiro milagre. Deste modo ele realçou uma reunião terrena com uma manifestação sobrenatural.
“O apóstolo Paulo nos faz ver o aspecto transcendental da união de um homem com uma mulher quando compara esse amor com o amor de Cristo para com sua Igreja. João nos faz ver que a Igreja é a noiva de Cristo, a escolhida entre todos os seres humanos, e que depois do arrebatamento da Igreja, as bodas mais gloriosas que jamais foram vistas serão celebra¬das: As Bodas do Cordeiro.”
Leitura bíblica
Dirigindo-se aos noivos, o ministro dirá:
“Ouçam, pois, a Palavra de Deus através de Paulo, escrita para a instrução de vocês a respeito desse passo tão impor¬tante que vocês estão para dar. O apóstolo Paulo disse aos ‘v’esposos: ‘Vós, maridos, amai a vossas mulheres, como também Cristo amou a igreja, e a si mesmo se entregou por ela, para a santificar… Assim devem os maridos amar a suas próprias mulheres, como a seus próprios corpos. Quem ama a sua mulher, ama-se a si mesmo. ‘
“Pedro dá estas palavras de conselho aos esposos: ‘Igualmente, vós maridos, vivei com elas com entendimento, dando honra a mulher, com vaso mais frágil, e como sendo elas herdeiras convosco da graça da vida, para que não sejam impedidas as vossas orações.’
“Da mesma forma, ouçam o que dizem as Sagradas Es¬crituras às esposas: ‘Vós, mulheres, submetei-vos a vossos maridos, como ao Senhor Pois o marido é o cabeça da mulher, como também Cristo é o cabeça da igreja… De sorte que assim como a igreja está sujeita a Cristo, assim também as mulheres o sejam em tudo a seus maridos.’
“Semelhantemente, vós, mulheres, sede submissas a VOSSOS próprios maridos A beleza das esposas não seja o enfeite exterior, como o frisado de cabelos, o uso de jóias de ouro, ou o luxo dos vestidos, mas a beleza interi¬or, no incorruptível traje de um espírito manso e tranqüilo, que é precioso diante de Deus.'”
Oração
Entrega da noiva
Dirigindo-se à igreja, o ministro perguntará:
“Quem entrega esta mulher para que ela se case com este homem?
O pai da noiva ou outro parente responderá: “Eu a entrego.”
Votos
Dirigindo-se ao noivo, o ministro perguntará:
“__________________(nome do noivo), você recebe esta mulher como sua legítima esposa, para viver com ela no san¬to estado do matrimônio, segundo o que foi ordenado por Deus? Você promete amá-la, honrá-la e cuidar dela na enfermidade ou na saúde, e, rejeitando todas as demais mulheres, ser fiel a ela enquanto os dois viverem?”
O noivo responderá: “Sim, prometo.”
Dirigindo-se à noiva, o ministro perguntará:
“__________________(nome da noiva), você recebe este homem como seu legítimo esposo, para viver com ele no santo estado do matrimônio, segundo o que foi ordenado por Deus? Promete amá-lo, honrá-lo, obedecer a ele e cuidar dele na enfermidade e na saúde, e, rejeitando todos os demais ho¬mens, ser-lhe fiel enquanto os dois viverem?
A noiva responderá: “Sim, prometo.”
Dirigindo-se aos dois, o ministro dirá:
“Segurem um na mão do outro, e repita cada um comigo:
O noivo repetirá estas palavras do ministro:
“Eu,__________________(nome do noivo), recebo você, __________________(nome da noiva), como minha legíti¬ma esposa, para que nós dois sejamos um só, deste dia em diante, para os dias bons e para os dias maus, em riqueza ou em pobreza, em prosperidade ou em adversidade, para cuidar de você e lhe amar, até que a morte nos separe.”
A noiva repetirá estas palavras do ministro:
“Eu, ___________________ (nome da noiva), recebo você, __________________(nome do noivo), como meu legítimo esposo, para que os dois sejamos um só, deste dia em diante, para os dias bons e para os dias maus, em riqueza ou em pobreza, em prosperidade ou em adversidade, para cuidar de você e lhe amar, até que a morte nos separe.”
Entrega da aliança
Dirigindo-se aos dois, o ministro perguntará:
“O que vocês entregarão um ao outro como penhor destes votos?
O noivo dará a aliança ao ministro, que dirá:
“A Bíblia diz que quando Deus fez um pacto com Noé, colocou no céu um arco-íris como sinal do pacto, e disse: ‘E eu o verei para me lembrar da aliança eterna.'”
“Da mesma forma, é bom termos um sinal que nos lem¬bre a realização deste solene ato nupcial. Vocês escolheram estas alianças como sinal de seu matrimônio.
“A aliança é feita de metal precioso, que representa os vínculos que unem esposos e esposas. É uma circunferência sem fim, simbolizando a perpétua união de vocês.”
Dirigindo-se ao noivo, o ministro dirá:
“__________________(nome do noivo), tome esta ali¬ança, coloque-a no dedo anular de sua noiva e repita comigo: ‘Com esta aliança eu me caso com você, e lhe faço dona tam¬bém dos meus bens terrenos, e por este ato declaro diante de Deus e das testemunhas que a recebo como minha esposa, e que lhe serei fiel esposo.'”
Dirigindo-se à noiva, o ministro pedirá que ela repita as seguintes palavras:
“Recebo esta aliança de suas mãos, e declaro, portanto, diante de Deus e destas testemunhas que lhe serei fiel tanto na alegria como na tristeza.
“Com esta aliança selamos duplamente nossos votos, e você partilhará comigo o símbolo de nosso casamento.”
Dirigindo-se aos dois, o ministro dirá:
“Visto que vocês já declararam sinceramente o desejo de unirem-se em matrimônio, diante de Deus, e confirmaram o mesmo ao dar e receber as alianças, agora eu os declaro mari¬do e mulher em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. Aqueles aos quais Deus uniu, que nenhum homem os separe.
“Eu lhes exorto a serem fiéis aos votos que vocês fizeram aqui. Com este casamento, vocês iniciam uma vida nova com maiores responsabilidades. Só encontrarão a verdadeira felici¬dade se cumprirem com as obrigações que acabam de assumir.
“___________________(nome do noivo), proteja esta mulher que agora se submete ao seu cuidado, e esforce-se por viver no amor de Deus, de tal maneira que nenhuma ação ou palavra sua lance amargura sobre seu rosto, nem encham os seus olhos de lágrimas.
“__________(nome da noiva), esforce-se por conservar com suas virtudes o coração que você conquistou com sua graça.
“Aos dois eu digo: ‘Não permitam que na voz de vocês se apaguem os tons ternos de carinho, nem que os olhos de vocês percam o brilho que os fazia resplandecer durante o noivado. Porém, e acima de tudo, esforcem-se para que Deus ocupe sempre o trono do lar que vocês estão iniciando agora.”
Bênção pastoral
O ministro dirá aos noivos que se ajoelhem, e orará assim:
“O Senhor os abençoe e os guarde. O Senhor faça res¬plandecer o seu rosto sobre vocês e tenha misericórdia de vocês. O Senhor sobre vocês levante o seu rosto e lhes dê a paz.”
CERIMÔNIA 3
Instituição do casamento
Dirigindo-se à igreja, o ministro dirá:
“Quando Jesus foi chamado com seus discípulos a uma festa de casamento, de boa vontade aceitou o convite, e ali deu início ao seu ministério e às suas obras de poder. É por isso que também hoje nos reunimos aqui, como testemunhas perante Deus, das promessas que este ho¬mem e esta mulher vão fazer um ao outro.
Dirigindo-se aos noivos, o ministro dirá:
“Esta cerimônia matrimonial que está sendo celebra¬da agora para unir vocês com os sagrados laços religio¬sos, é a mais antiga cerimônia da história da humanida¬de. Foi celebrada no começo do mundo perante o próprio Criador como única testemunha, convidado e ministro, e o que aconteceu antes está acontecendo agora. O matri¬mônio nunca deixou de existir, pois sobreviveu no para¬íso, e tem sido mantido pelo próprio Deus, para aliviar as dores e consolar as tristezas do nosso coração quebrantado. Assim será a cada um de vocês, caso seus corações abriguem o desejo de embelezá-lo e suavizá-lo mediante o constante cuidado, mesmo nas mínimas coisas, medi¬ante a paciência e o sacrifício em favor do outro. Tudo isto colocamos diante de vocês, e convocamos aqui Deus como testemunha, lembrando-lhes sempre que a oração constante lhes permitirá cumprir fielmente estas promes¬sas. Segurem agora a mão um do outro.”
Votos
Dirigindo-se ao noivo, o ministro perguntará:
“__________________(nome do noivo), você aceita receber esta mulher, cuja mão você está segurando agora, como sua legítima esposa?
O noivo responderá: “Sim, aceito.”
“Você promete solenemente, diante de Deus e destas tes¬temunhas, cuidar dela, amá-la e defendê-la, e ser-lhe fiel en¬quanto Deus lhe conceder vida?”
O noivo responderá: “Sim, prometo.”
Dirigindo-se à noiva, o ministro perguntará:
“____________________(nome da noiva), você aceita receber este homem, cuja mão você está segurando agora, como seu legitimo esposo?”
A noiva responderá: “Sim, aceito.”
“Você promete solenemente, diante de Deus e destas tes¬temunhas, unir-se a ele à fim de amá-lo e ser-lhe fiel durante toda a vida, sob qualquer circunstância, até que a morte os separe?”
A noiva responderá: “Sim, prometo.”
Entrega das alianças
Preparando-se para passar a aliança às mãos do noivo, o ministro dirá:
“Visto que agora, como esposo, você é a cabeça da espo¬sa, a quem está dando o seu nome e a quem está recebendo para cuidar dela e prover-lhe as necessidades, entrego-lhe esta aliança para que você a coloque no dedo desta mulher, como sinal de que a está recebendo como esposa.”
O ministro esperará que o noivo coloque a aliança no dedo anular da noiva, e dirá:
“Assim, pois, você cuidará da sua esposa com a força de seu vigor e com seu amor protetor.
“Vocês usarão estas alianças como um vínculo de reve¬rência e fé profunda, completando ambos o círculo perfeito do dever que os torna uma só pessoa.”
Pronunciamento
“Em nome de Jesus Cristo e diante destas testemunhas, eu os declaro marido e mulher, em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. Aqueles a quem Deus uniu, que nenhum homem os separe.”
Oração e bênção pastoral
O ministro pedirá a Deus que abençoe o novo lar, e pronunciará a seguinte bênção pastoral:
“E agora, que aquele que caminhou em íntima comunhão com o primeiro casal humano nos dias da inocência, aquele Va¬rão de dores cujo ministério milagroso produziu grande regozijo na festa das bodas, aquele que vivendo no coração de vocês, pode fazer do lar que vocês estão iniciando uma morada de amor e paz – o Pai, o Filho e o Espírito Santo – sejam com vocês para sempre. Amém.”
CERIMÔNIA 4
A ordem do programa é deixada a critério do ministro. Uns começam com a leitura de partes selecionadas das Sagradas Escrituras, outros com oração, e ainda outros com reminiscências oportunas de exemplos bíblicos. Há quem omita tudo isso no princípio e o reserve para o final. Uns oram no princípio e também no final. O melhor é que cada ministro determine desde o princípio a forma de cerimônia que vai empregar, de acordo com o que os noivos preferirem. Antes de realizar a cerimônia religiosa, o ministro deve verificar se os noivos já cumpriram com os requisitos da lei civil.
O Pai Nosso (opcional)
Instituição do casamento
Os noivos (o homem e a mulher) permanecerão de pé perante o ministro e as testemunhas.
Dirigindo-se à igreja, o ministro dirá:
“A Bíblia declara que o matrimônio é um estado honroso, instituído por Deus quando o homem ainda era inocente, an¬tes que pecasse contra o seu Criador e fosse expulso do Para¬íso. A instituição do casamento por Deus foi uma concessão sábia e benéfica para guardar a ordem social e transmitir -mediante a boa ordem familiar -, a pureza, a santidade e a verdade, de geração em geração.
“Cristo aprovou o matrimônio quando fez seu primeiro milagre, e santificou as bodas de Cana da Galiléia com sua presença. Paulo afirma que o casamento é digno de honra entre todos. Portanto, ele deve ser realizado com reverência e no temor de Deus.”
Votos
Dirigindo-se aos noivos, o ministro dirá:
“Como sinal de sua união como esposo e esposa, segu¬rem na mão um do outro.”
Dirigindo-se à noiva, o ministro perguntará:

“__________________(nome do noivo), você aceita esta mulher, cuja mão você está segurando, como sua legítima esposa? Promete solenemente, diante de Deus e destas teste¬munhas, amá-la, honrá-la e consolá-la, mantendo-se fiel a ela, e cumprindo com todos os deveres de um esposo para com sua esposa, enquanto Deus lhe conceder vida?”
O noivo responderá: “Sim, aceito e prometo.”
Dirigindo-se à noiva, o ministro perguntará:
“__________________(nome da noiva), você aceita este homem, cuja mão você está segurando, como seu legítimo esposo? Promete solenemente diante de Deus e destas teste¬munhas amá-lo, honrá-lo e consolá-lo, mantendo-se fiel a ele e cumprindo com todos os deveres de uma esposa para com seu esposo, enquanto Deus lhe conceder vida?”
A noiva responderá: “Sim, aceito e prometo.”
Se o noivo vai entregar uma aliança à noiva, o ministro a receberá antecipadamente da mão do noivo. Dirigindo-se a ele, o ministro lhe perguntará:
“__________________(nome do noivo), você entrega esta aliança a __________________(nome da noiva), como pe¬nhor e prova de que a está recebendo como sua legítima es¬posa, como sinal de amor puro e sincero de que você a amara e cumprirá fielmente os votos sagrados que você fez a ela?’
O noivo responderá: “Sim.”
Dirigindo-se à noiva, o ministro perguntará:
“__________________(nome da noiva), você aceita esta aliança da parte de__________________ (nome do noivo), a quem está recebendo como seu legítimo esposo, como prova e penhor de amor verdadeiro, e de que cumprirá fielmente os votos sagrados que você fez a ele?”
A noiva responderá: “Sim.”
O ministro devolverá a aliança ao noivo, solicitando que ele a coloque no dedo da noiva, e dirá aos dois:
“Seja este o selo de sua fidelidade mútua, do amor que vocês sentem um pelo outro, da lembrança desta sagrada ce¬lebração e dos sacrossantos laços matrimoniais pelos quais vocês estão se unindo em matrimônio, até que a morte os separe.”
Pronunciamento
“Visto que este homem e esta mulher solenemente diante de Deus e destas testemunhas, têm empenhado sua fé e pala¬vra um ao outro, e solenizado esse compromisso com a união das mãos, agora eu os declaro marido e mulher em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo. Amém. Aqueles a quem Deus uniu, que nenhum homem os separe.”
Oração e bênção pastoral
O ministro dirá aos noivos que se ajoelhem, e concluirá com a seguinte oração e bênção pastoral:
“Deus eterno, Criador e Soberano do gênero humano, Doador de toda graça espiritual, Autor da vida eterna: Aben¬çoa este homem e esta mulher. Ajuda-lhes dia após dia a for¬marem o seu lar do qual Tu serás o cabeça e o hóspede invisível. Ajuda-lhes a cumprirem e guardarem sempre os votos e promessas que fizeram neste memorável dia.
“Que Deus o Pai, Deus o Filho, e Deus o Espírito Santo os abençoe, os guarde e os mantenha firmes; que o Senhor, em sua misericórdia, volte para vocês seu rosto a fim de abençoá-los rica e abundantemente, e os encha do seu santo amor, e que no mundo futuro vocês possam desfrutar da vida eterna. Amém.”
Passagens bíblicas
O ministro selecionará algumas das seguintes passagens para ler durante a cerimônia, de acordo com a ordem do programa, estabelecida antecipadamente:
“Disse o Senhor Deus: Não é bom que o homem esteja só. Far-lhe-ei uma adjutora que lhe corresponda. Havendo, pois, o Senhor Deus formado da terra todos os animais do campo e todas as aves do céu, trouxe-os ao homem, para ver como lhes chamaria; e tudo o que o homem chamou a todo ser vivente, isso foi o seu nome. Assim o homem deu nome a todos os animais domésticos, às aves do céu e a todos os ani¬mais do campo. Mas para o homem não se achava adjutora que lhe correspondesse. Então o Senhor Deus fez cair um sono pesado sobre o homem, e este adormeceu; tomou, en¬tão, uma de suas costelas, e fechou a carne em seu lugar. En¬tão da costela que o Senhor Deus tomou do homem, formou a mulher, e a trouxe ao homem. Disse o homem: Esta é agora osso dos meus ossos, e carne da minha carne; ela será chama-da mulher, pois do homem foi tomada. Portanto deixará o homem a seu pai e a sua mãe, e unir-se-á à sua mulher, e serão os dois uma só carne.” (Gênesis 2:18-24).
“Quero, pois, que os homens orem em todo lugar, levan¬tando mãos santas, sem ira nem contenda. Quero que, do mesmo modo, as mulheres se ataviem com traje decoroso, com modéstia e sobriedade, não com trancas, ou com ouro, ou pérolas, ou vestidos dispendiosos, mas (como convém a mulheres que fazem profissão de servir a Deus) com boas obras… Quero, pois, que as mais novas se casem, tenham fi-lhos, sejam boas donas de casa e não dêem ocasião ao adver¬sário de maldizer.” (1 Timóteo 2:8-10; 5:14).
“Digno de honra entre todos seja o matrimônio, bem como o leito sem mácula, pois aos devassos e adúlteros Deus os julgará.” (Hebreus 13:4).
“Vós, mulheres, sede submissas a vossos próprios mari¬dos, como convém no Senhor. Vós, maridos, amai a vossas mulheres, e não as trateis asperamente.” (Colossenses 3:18-19).
“Goza a vida com a mulher que amas, todos os dias de vida da tua vaidade, os quais Deus te deu debaixo do sol, todos os dias da tua vaidade. Porque esta é a tua porção nesta vida, e do teu trabalho, que tu fazes debaixo do sol.” (Eclesiastes 9:9).
Outras passagens pertinentes
Provérbios 7:6-27; 12:4; 31:10-12.14,20.23; 31:10-31
Mateus 19:3-12:22:30
Romanos 7:2-3
1 Coríntios6:16
1 Coríntios 7:29-31
1 Coríntios 11:8-9,11-12
2 Coríntios 6:14-18 Tito 2:3-5
1 Pedro 3:1-7

CURSO DE TEOLOGIA GRÁTIS COM CERTIFICADO TAMBÉM GRÁTIS - lIGUE: 1141716380

Nossas Redes Sociais

Em breve começaremos a postar conteúdo em nossas redes sociais. Siga-nos e aguarde.

Atenção! Estamos em FASE DE TESTE, algumas funcionalidades ainda estão sendo desenvolvidas e as disciplinas ainda estão sendo organizadas e divididas em lições e aulas. Se você quiser nos ajudar, clique aqui (ou se tiver whatsapp, clique aqui) e envie o seu feedback sobre como podemos construir o melhor curso de Teologia GRATUITO do Brasil. Obrigado!